Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro, 2007

Manifestações do Expresso Sono

O balão descia furioso, o lado escuro da vertigem ocupava com câncer o cu da morte. Nada. Ela tentou efetuar trêmula a derradeira ligação.
"Alô, amor....TO MORRENDO!"
"..."
"m.,dsfkfd...amor?...AMMOOR!!!!"
"porra, to dormindo caralho...TE AMO"

***
Nesse cemitério poderá ser enterrado só quem tem as devidas credenciais de artista circense, dizia ele. O outro questionava, irresoluto, o porquê de tanta babaquice. "Quero uma vala agora!" O coveiro foi além : abençoa o cruzado mortal no queixo do rapaz. (Só?) Só que a reação veio a rugir instantaneamente, fervendo. Três indivíduos com os orgãos genitais à mostra. Bicudas gentis, facadas míopes, espingarda de chumbo no filé, até foice. Bancou pra palhaço.

***
Quando ouvia o despertador visualizava aquela roda de pogo, ciranda moicana punk. Demétrius, larga da sua Giannini, não precisa transcrever pro tio Azul a canção Broto legal, vê se pára de cagar no espelho do elevador do serviço. Despertador de…

PINK FLOYD COM JIMMY PAGE NO GINÁSTICO

O associado(a) que portava sua carteirinha com a mensalidade em dia exibia, indubitavelmente, longa expressão de satisfação, cartão de visita de bom grado para a noite nua de Rivers. As catracas em polvorosa do clube gegeano assistiriam uma apresentação magistral, como nos ditos tempos a banhar as notas e suspiros dum Agepê . Pink Floyd co strarring Jimmy Page. Como qualquer âncora de televisão provinciano, salientaria eu que a produção do show mereceu nota 10 e tratou de contagiar TODOS os presentes, soltando já para aquecimento auricular nos PA's todo o charme sentimental dum Julio Iglesias em ínicio de carreira.

O camarim estava perfeito. Revistas Caras espalhadas pelo sofá tailandês, sequilhinhos, farinha de prima, isotônicos em quantidades cavalares para ninguém botar defeito, além de groupies realizando incansáveis petas e sessões anais.

É necessário dizer que no salão detetizado peRvinhas fervilhavam o coração punhetal de jovens manés? E na Eco Sport rebaixadinha do Tony, qua…

EU COMPRO CERVA NO SUPERMERCADO DIA

Nélson Fun pratica o raciocínio encervejado. Executa pela cevada a destruição dos minutos enfadonhos da calçada dos dias, prevalece na arte de golpear o lado enfermiço dessa porra que é o satélite existencial titular, também apelidado de VIDA, ou comumente agraciado pelo status de roubada, alcunha esta das mais célebres reinante aos confins do éter.


Opa, como chama esse macarrão? Parafauso, é essa resposta obtida por meio dela. Aliás, ela acaba de despertar de um rápido sono ventilado, nesse que é o tradicional calor brazuca. E é carnaval. Bosta. Essa porra de batucada que invade e fede agora pelo ar é fruto infértil dum chinfrim ensaio de bateria de "escola" de samba - mas, afortunadamente, afirmo que a cerveja não está congelada completamente e mon amour aprecia nesse exato instante (deveras delicada, diga-se de passagem) um prato macarrônico ao meu lado.


Arrotar, verbo irremediável. Essa terça-feira tem a fuça, a cara rala e a barriga jocosa dum domingo nauseabundo. Por iss…
BOB BOLINOS agiliza o seu prato, espreme laranja para uma apresentadora da Rede Record, tem uma cama envolta por arame e é fugitivo do Centro de Detenção Provisória de Illinois.

*** Confira agora o embalo da new school brazuca das palabras versus os analfabebetos de siricutia :
NEW SCHOOL BRAZUCA DAS PALABRAS Eu não tenho culpa de comer quietinho No meu cantinho boto pra quebrarLevo a minha vida, bem do meu jeitinho Sou de fazer, não sou de falar Quer saber o que tenho pra lhe dar Vai fazer você delirar Tem sabor de queijo com docinho Meu benzinho, você vai gostar É tão maneiro, uai, é bom demais Não tem como duvidar O meu tempero, uai, mineiro faz Quem provar se amarrar Ai, ai, não tem como duvidar Faz, faz, quem provar se amarrar ANALFABEBETOS DE SIRICUTIA: Última flor do Lácio, inculta e bela, És, a um tempo, esplendor e sepultura: Ouro nativo, que na ganga impura A bruta mina entre os cascalhos vela... Amo-te assim, desconhecida e obscura, Tuba de alto clangor, lira singela, Que tens o…