sexta-feira, abril 25, 2008

Suellen Maria no rolê

Suellen Maria no rolê. Calça emprestada da vovó, vermelha-orgasmo-tubarão, de veludo, e a Suellen Maria possui um bigode, bigode bem grosso, fortão, másculo, musculoso. A Suellen Maria domina baskara, sua lei, a Suellen Maria no rolê. Dizem que é lésbica, ou é lsd , delira no parapeito, sobretudo. A calça sumiu. Da vovó, de veludo, era a calça vermelha-orgasmo-tubarão afogou-se, fodeu-se, Suellen Maria, cadê a calça? Que calça? Cala a boca. A calça que ela ganhou da Anrelita. Suellen Maria no rolê, sem a calça, olha o que eu escrevo pra você: foda-se;

quarta-feira, abril 23, 2008

O SANDUBA DA CORAGEM

ele efetuou o pedido, sacou a nota ligeiramente rasgada, nem ao menos um instante de dúvida ardia agora. não hesitaria mais. então devorou. engoliu, rapidamente, o sanduba da coragem. imbuído do mais viril dos ímpetos homicidas,subitamente pronto, implacável rugia. fraquezas da época ginasial não mais constavam no álbum de figurinhas do mês corrente. SEU MADRUGA terno sorria, regozijado em algum lugar do céu de Acapulco.

mas o filho da puta não parava de rugir, ensandecido provocava a hérnia do caos, encarava com voracidade toda a rodoviária e seus dizeres ocultos. mal suspeitavam. ali estava, a toda prova, mais vivo e arrogante que Deus, o sujo e objetivo andarilho do sanduba da coragem. a sagacidade lhe fora providencialmente imposta, duas dentadas, mastigação mínima, e pronto. coragem grunhindo dominante, a lua assentiu, satisfeita, ah, a visão da lua pela imunda garagem da nanica rodoviária... logo começou pois a ziguezaguear furioso, mas a cabeça invariavelmente voltada à lua. trombou em algo. opa. a merda detectada parecia ter tipo de "atleta meninos do brasil". ah é? apontou o dedo na cara do micróbio que fazia pose de luciano conan huck com uma rosa baby look que poderia valer a obra do paulo francis com limonada suiça. sete dentes acabaram por ser eliminados, chutes intermináveis cobriam de pavor a estudante de letras magricela, que até deixou o Fernando Pessoa se misturar com a embalagem dum picolé de uva; todo o peso do ódio abençoando o nariz da biba mimadona, a rosa baby look sofria exclusiva com sangue de mulher - mais chutes,toneladas de bicudas pró, até pisar em cima do inerte crânio, pisoteava mais que metanfetamina no cio, pulava como verdadeira hipérbole, provavelmente a rodoviária, nanica e constrangida, vira o último dos verdadeiros ogros série luxo carniça. o sanduba da coragem funciona.

Estou vivendo essa semana em São Carlos. Aqui feliz com minha amada, a vida corre cheia de esperança, flerta inegável paz e consome muito amor.

Agora Tom Waits ataca levemente as últimas apostas púrpuras da madrugada, companheira - o registro vocal de Alice passeia pelos olhos da semente do aconchego. Antes que as cortinas cessem por hoje, um bom filme pra alma forte respirar - e amanhã a luta continua.

sábado, abril 19, 2008


A noite passada teve um final triste. Hoje acordei perturbado, envolto num desesperado lamaçal espiritual. O pior é que no fim da tarde, até a Olguinha, a gatinha branca que vive serelepe e malandrinha pela casa, desapareceu. Nessa altura eu havia me consagrado tetracampeão em lexotan 3mg. Mas foda-se; quero só ler um pouco do livro do Norman Mailer na cama - já tô terminando a bagaça- e depois esperar o domingo nascer promissor.

quinta-feira, abril 17, 2008

Costumava frequentar o Sujinhos naquela época. De sexta-feira era mais tranquilo; geralmente durava até à uma e meia , duas da manhã, no máximo. Sonzinho rolando dentro do bar, geralmente apenas violão e voz(acho uma xaropagem sem tamanho quando um babaca senta num banquinho de merda e se acha o máximo por, como um cavalo adestrado, copiar a musiquinha metida a bacaninha dos outros) e no domingo banda, cover também, ao vivo na esquina, os manos de araque da cidade nos seus corres infantis, os pega-ninguém tomando fora até de mosca e as barangas fumando maconha ruim aos montes.


Aquela época - que nem sei ao certo se é época, fase ou capítulo - ficou para trás tranquila, mas ainda apareço no Sujinhos. Passo por lá acompanhado pela minha amada, a mulher que dessa minha vida faz uma tremenda torrente plena e rara, acúmulo incessante de irremediável poesia.
paredes de guitarras em flanger, distribuíndo delays pela avenida da saudade
quartos mal iluminados onde escritores obscuros atacam com seus contos insólitos
luvas dispersas na chuva que não acontece só na minha mente no meu coração rouco


são escadas paridas num incêndio
são frascos em sorrisinhos da minha amada
são centenas de amigos mortos, amigos traíras continuam vivos

escadas gritando em sua madeira podre e velha e feliz pelas dez da manhã
eu atropelei uma ambulância que voava nos seus 140 km/h
com um pé-de-cabra abri
a tal portinhola branca
acertei a cara de pau do prefeito analfabeto funcional
seu nariz também é de covarde
matei o falso defensor de uma cultura atrasada e mentirosa

logo na sequência
e quente urinei meus tormentos de glória

quarta-feira, abril 16, 2008

mais de mil vezes 100

bêbado minha capacidade de convencimento por vezes
extrapola, me alucina, favoravelmente 100

amo o feixe mais sombrio da conversa à toa
as falas amarradamente ocultas
trejeitos encapotados, ruas de pausa

prefiro correr a tarde solta
quantas vezes assim;
prefiro muitos tantos beijos amarelos do verbo e copos loucos
mais de mil vezes 100

eu gosto de ovo de codorna. gosto da segunda fase dos beatles. eu gosto de trocar idéia com a velharada gente boa que frequenta o parada obrigatória, meu bar preferido aqui em rio craro. se o brasil e a argentina disputassem a eurocopa desse ano...se a globo explodisse e a veja também, se eu arrumasse o trabalho perfeito durante sonos e roncos...se.

eu não ando suportando essa tal pipoca de microondas, ah, a legível janela do céu aqui de casa! ou melhor,os três cães, ou melhor ainda, as três cachorras - dessas eu gosto- divido com elas esses meus salgados ovos de codorna, hoje.

quinta-feira, abril 10, 2008


Um pouco de cachaça pra voar a velha cabeça. Um pouco de Mailer nas mais profundas regiões do sono. Um pouco de fumaça libertina na alma vadia. Olho pro lado escuro e escuto mais desespero,o lento obscuro. E então explode a centelha do grito, minha reação. Um pouco de tudo nas entranhas das próximas horas. E então a disparada, a ira, a crescente capacidade de indignação.

domingo, abril 06, 2008

o espocar de luzes amarelas
invade
confunde o céu
sonata, terna sonata transversal
conversa contigo, céu

agora



agora a música corre providencial, rápida
os corações erram, juntos no compasso
se abraçam.

enquanto o chuveiro
puder ser desligado
você passará
por aqui.

erramos as opiniões comuns
erramos muito achando pouco

até a medula
amo, até a medula
seu fio osso cabelo pescoço
quero ficar,
assim espero.

quinta-feira, abril 03, 2008

COPA DO BRASIL: COPA LOSER


Me chame de são-paulino não sei o que, não importa. A Copa do Brasil há tempos é uma piada de mau gosto. E eu nem preciso dar uma de Flávio Prado da vida pra categoricamente afirmar isso. Pra onde FORAM os times que afundaram no Brasileiro do ano passado? Pra Série B e pra Copa do Brasil (haha, e a Sul Americana? O São Paulo teve que ser excluído da edição desse ano).

Ah, Copa do Brasil. Tudo bem, quem se sagra "campeão" disso vai pra Libertadores. Grande Merda. Quero ver ganhar o Brasileiro. A Libertadores caga em cima da Copa Loser. Copinha Loser,ou seja, até o time brasileiro de pior campanha na Libertadores 2008 é melhor que o "campeão" dessa bosta.










Eu espero acordes que não desistam de cocainar meu dia, mesmo quando já nasceu morto. Espero notas que não apliquem a tortura do t...