quarta-feira, junho 22, 2011

#52



      vagando 
de vela em vela
descontemplando
espinha amarela.

LEMONS BLUES

cinco dias sem bostar
no vozerio
cinco dias ca chapa do bróguer
no frio
cinco dias apaixonado,
na alma, 
a patroa 
é a patroa 
que pilota o coração:
the lemons blues.

quinta-feira, junho 16, 2011

já é quinta-feira
altas piras
de repente anima ouvir um hardcore meio nofx
isso me anima
vai me motivando mais
é claro que sempre sigo em frente
nunca pálido
nunca zé-buceta
espalhando cais de pulso radiante
mas outras tantas
angústias
derivas russas
o coração visitando vai 
incêndios despidos de elegante poesia
famílias setores sociedade sanção palavras de merda
às vezes me pergunto:
tudo isso aí é
surpreendente burrice ou demente falta de afeto na infância?

não há desculpa para o fraco.
não há desculpa para um mundo fermentado em perguntas idiotas
o tempo despenca prisioneiro
oferecendo o tormento do não-amor manifesto
e então mais uma vez
a porca maldade se apresenta 
tratados
que porra de tratados o que
porradas nos fatos
porradas nos fatos
que meu mundo não é a porra de uma cascata hard news
talvez por isso de fato abandonei o jornalismo.




mexerica peida
enquanto você
descasca.

PORRA SHIRLEI





PORRA SHIRLEI:
senta Shirlei
senta e escuta bem 
filhadaputa
toma logo um copo d'chuva
vomita vai
vochê é beu abigo porra nenhuma
porra Shirlei, 
que nóia nova láite lazarenta
pensa no gramado verde-você bem no meio
da arquibancada enferrujada de viola véia
nocaute no meio do Benitão.
scarface júnior afinando o violão, 
é a morte maionese
fumando crack socialmente
pelo blusão
boné de pedreiro
moiado ditinta disangue djow
vai o ônibus desolado
o grito é a perdição
que nóia
no Benitão
extrala sirene exalando pimenta de cu co camburão
entre a políça e os lateral-esquerdos do Velão
chuvarada de estilingues
dois cartuchos pretos de pac man perto da marca da cal
sirene cirrose surdez na moringa Shirlei
últimas sinapses zoega veneza parada obrigatória
porra Shirlei
pelo blusão
antes do disparo
estive na avenida treze muito frio
antes do último barro tiro suspiro barrão atrito
que crimão de pedreiro bão
a bala no pote 
black azeitona com cachaça
francisco pote fogo varando a rede invisível
traves trêbadas não-tristes quase desmaiadas são vazadas
a bala chita amarela alojada na esquina, o pote Shirlei, PORRA SHIRLEI PORRA SHIRLEI PORRA SHIRLEI ZEFAMU E OS QUARENTA FUMETAS

quarta-feira, junho 15, 2011

ÁGUA DE SALSICHA



água de salsicha que estaís no fogo,
lubrificado seja o vosso molho
não venha vago teu bafo de peido
que seja o vento a vossa vrizolada 
assim como logo depois das três
o velho vovô avisou
que é puta de dois pila
peidando no boi
reinando no farol
a perna direita dela 
peidando talarico 
peidalandiu o intestinu
envorvido
na lagoa de mijo sabor criança fedendo uréia gelada
porra é a dança da
água de salsicha 
é regurgito-devaneio:
as águas de salsicha
é que vão rolar chefia
vão é besuntar ao-aviso maionese:
aopa:
rende bucentas porções
aproveita que tá quente, tá quente...

terça-feira, junho 14, 2011

DINAEL



Quem vai atender a campainha?
É o Dinael?
Eunice?
Israel e seus sete triciclos?
Eujáço?
Sim, será?
Que porra é essa?
Duvida que isso é sério?
E agora, quem vai fechar a porta?
- Dinael, porque a loucura riu de mim?

sábado, junho 11, 2011

DISTRAÇÃO (RAÇA NEGRA REMIX)





a conta do telefone veio salgada.


De madrugada eu estava de pé quando a risada de zói fechado
avisa ao devaneio parceiro que se está 
sonhando acordado e tudo é 
o agora azul
a discagem 
a primeira piada, 
saudação sambarilóvi
de preocupação e 
fraternidades federais
alô
ao velho amigo lesado
perdido 
cansado
pensando em mudar de emprego, 
acelerar de fato
o lado 
a rajada
que incendeia
que a poesia chama
sem você perceber
e a realidade concreta
abraça meu otimismo
tá tudo mundo
querendo ser feliz
sem bichisse
morrer sem dor no ânus
tendo amigos de verdade
e
dirigir 
antes da praia
o novo roteiro de viagem encachaçada
sensorial do Rivera Mendez
num curta-metragem
preto e branco
- de verdade.


a conta do telefone
por isso
veio pastelada
óleo
pastel de feira
sábado de manhãzinha
no São Benedito
cheiro no seu dedo
de fritura
lazarenta
invade sua narina esquerda.


A conta do telefone
é alta
quando se é distraído também.

quinta-feira, junho 09, 2011

veneza na rua cinco com a avenida sete



hoje não sou aquele
da manhã de 27 de abril
de um ano aleatório.


quando você consegue andar
e comprar oito pães na padaria veneza
há anos e anos localizada na esquina da 
rua cinco com a avenida 11
quando você a entrada ultrapassar 
pare olhe pire olhe
a veneza é viajante
vendo o tempo voar devagarzão
enquanto isso tudo
paro tranquilamente
pra tomar café
café
café sem açúcar 
café
cercado
no copo plástico
é claro.

bola fora
fita errada
moscada
erro
marcada


merda.

terça-feira, junho 07, 2011

turbonegro - get it on no fone.

leituras
folhas parceiras
leituras monstro
ler
ler
ler
pirando em linhas tortas
reler vorazmente
reler
eufórico
decapito
sílabas 
leio madrugada adentro
porra:
morrer
escrever
viver.

domingo, junho 05, 2011

quermesse da praça da matriz. sábadão chique. e a presença agradável dos casais: eu e nízinha. casão e jabi. classe: tudo certo no planeta maionese. 

quarta-feira, junho 01, 2011

EDMARZERA GENTE FINA



quarta-feira agradável
promissora
semifinal noturna
Libertadores
Cerro e Santos
Edmarzera, o santista fanático
inclusive gente fina
logo logo de zóio na telinha
na maciota pride vai reunir a macacada
inclusive ele me chamou pra 
ver a birosca 
pra acompanhar
a peleja disputada
nervosa
em goma dele
a peleja decisiva
quem vai pra final?
é
foi mal Edmarzera
mas eu não vou
fica pra próxima chefia
- e eu tô ligado
que você vai mesmo
é de coca com pinga.

pode apostar, Lindomar

confuso, vagabundo, folgado. louco por futebol e rock and roll, aquele flamejante, conhece? incendiário, de libertação. louco por liter...