quinta-feira, janeiro 31, 2013

ROLA ERA UM CARA PROBLEMÁTICO

Rola era um cara problemático. Só se metia em rolo, o Rola. Caso alguém se recusasse em atender seus mais íntimos desejos, Rola ficava pistola. Ameaçava sacudir a cabeça e então colocar pra fora de uma vez só toda sua mais pura essência. Rola, o sobrinho bastardo que GG Allin não conheceu.

CHOVEU E O VELO VENCEU!!!




Foi difícil. Foi suado. E merecido. Ganhar de um a zero nessas condições é poder adentrar ao Olimpo como crachá de verdadeiro rockstar. E meus amigos, o primeiro tempo aconteceu debaixo de um dilúvio como há tempos o Benitão não recebia.

A torcida fez sua parte. Xingou, apoiou, anunciou uma série de ataques cardíacos pelas arquibancadas. E a pressão funcionou. No final, Jefferson Silva que entrara no segundo tempo acertou o pé. Aos quarenta e sete!! Explodiu Rio Claro, o chute, decisivo. Balaio. Rede. É nóis. Velão rugiu. Como vibra essa torcida - que é única, no mundo inteiro, vocês sabem disso. Aqui é  Velo, porra. 

E como jogou o Serginho hein? Tem talento e pique de sobra o chefia. O time ainda não tem meio de campo, nem padrão de jogo e ressente  a falta de um treinador mais enérgico (por enquanto parece um tanto quanto insosso). A equipe também ressente de jogadas triviais como constante avanços dos laterais, jogadas em profundidade, lançamentos, penetrações básicas pra perfurar o adversário com gosto e agressividade. O esquadrão parece afoito demais e quase sempre adota a falta de ritmo como caos primordial - o Velão é inconstante na transição de jogo, insistindo em se livrar da bola antes de formular um mínimo embrião de jogada ou qualquer passe curto calculado. E o camisa 8? O camisa 8 é deplorável, preguiçoso. Não honra o manto rubro-verde em momento algum. E ainda por cima arrumou confusão, quando na hora do gol pediu pra que a torcida se calasse. Isso por um gol que não ajudou em NADA a construir. Precisa abaixar a bola e treinar fundamentos os mais primitivos do esporte bretão.

Mas mesmo assim reluziu a eterna força da mística velista. No final o time adiantou a marcação, empolgado pela nação velista - e pela esquerda do ataque encontrou a glória. Estava selado o destino. O Benitão de súbito se iluminara, nascia ali a alegria dentro e fora das quatro linhas - das crianças aos velhinhos a festa foi inesquecível na celebração do  tento velista. Quem esteve ali presente, no dia 30 de janeiro de 2013, pode compreender o que é a força de uma incondicional paixão. A camisa doze cumpriu o seu papel. E assim, o Velo venceu a primeira. 








O simpático Doguinho, que acompanhou de perto o triunfo velista.
Largou o trabalho na roça para se tornar detetive. O cara é um espião.

segunda-feira, janeiro 28, 2013

QUE MONSTRINHO!

Nasceu. Era menina. Hmmm - mas e o nome? Veio então o desejo de velar a posteridade no ritmo das novelas, do cinema. O pai deu um trago no Hollywood e arriscou, categórico:

- Jane Fonda, claro.

A mãe fez vista grossa. Suspirou cansadona e murmurava algo, impaciente, que irrompeu em paralelo às sobrancelhas arqueadas:

- Cássia Kiss...

De supetão chega na sala o Bifinho. Olha pros dois alternadamente, reluzindo seus elétricos dez anos de idade, e num hadouken dispara:

- KissiFonda...



Você viu o filhote da garça? É uma garcinha.

JOGUINHO FEIO É APELIDO


Eta joguinho chinfrim. E o Velo não saiu do zero no Benitão. Acabou perdendo para o timinho do Osasco. Um a zero. Assim não Velão, vamos pra vingança!

Nas jogadas de ataque, o Velo esteve mais próximo de estourar os vidros do busão estacionado no fundo do estádio do que propriamente acertar o gol adversário. E o meio de campo? Não existe.  E a defesa? Bom, a defesa até que não é ruim. O que falta é raça para boa parte do elenco! Parece que o camisa oito andou confundindo raça com cachaça - e jogar de cara cheia, arrastando uma moleza e leseira incompatíveis, convenhamos, não é postura adequada quando o nosso Velão quer rugir na primeira divisão! Mas foda-se, não canso de acreditar! Força Velão!

PS: O juiz de merda também não quis ajudar. Dizem que estava de conluio com o Vampeta. Não é de se duvidar.

GARRAFA VAZIA NO REVOLUTION PUB, EM RED CITY!


Foi foda. Mais um show onde os adjetivos requerem precisão cirúrgica em busca de uma razoável definição acerca do que foi o espetáculo. 

Domingo, vinte e sete de janeiro de 2013. Mais uma data memorável. Garrafa Vazia no Revolution Pub, em Santa Gertrudes, também conhecida como Red City.





Também presentes no rolê as bandas HDEMA, Processo Criminal e os camaradas do Anguere. E é isso aí. Sem mais, meus amigos. Uma tarde histórica. Porra, tô surdo até agora. Estourei também a mão direita, que derramou o vermelho sobre as cordas do baixo. O sangue jorra, pra combinar com a atmosfera de Red City. Hebert e Vadio, como sempre, destruidores. Irmandade, palavra fuzz. E vida longa ao Garrafa Vazia!






Alguns vídeos do domingo demolition:





domingo, janeiro 27, 2013

HOJE: GARRAFA VAZIA E ANGUERE EM SANTA GERTRUDES!


É hoje negadis! Simbora quebrar tudo lá em Red City! Dirty rock and roll hoje no Revolution Pub, em Santa Gertrudes! E mais uma vez a força de Anguere + Garrafa Vazia dividindo o palco! Do caralho! Duas forças from Rivers representando o puro rock and roll from hell, o pesadão rock do capeta, chefia! E pra incrementar o esquema no mesmo dia ainda sobem ao palco o HDEMA e o Processo Criminal, do velho Saulão Punk Rock! É só chegar e conferir a destruição! A casa abre as portas a partir das cinco da tarde e a entrada é de cinco merréis! Domingão promete! É nóis!



    Hebert: destruição nas seis cordas do Garrafa!
Chamada do Jornal Cidade (Rio Claro - Rivers - City News)

Anguere: representando o velho e bom metal de Rio Claro, como sempre! Som pesado e original, violento. Anguere é sinal de pedrada sonora com muito punch, atitude e responsa.

sábado, janeiro 26, 2013

JNT FATHER (PARTE II)





Jonathan tinha quarenta anos. Seu filho, Jorílson Maicon, vinte. O primeiro era ex-mecânico. O segundo, traficante.


Depois das seis da tarde, Jonathan voltou para casa com meia dúzia de pãezinhos, bem quentinhos.



- Come alguma coisa, filho.



- Não quero.



Jorílson responder assim significava muito para o pai. Estabelecer um raro diálogo desta natureza era digno de comemoração. 



No quarto de Jorílson não havia nada. Apenas latas amassadas pelo chão imundo, cinzas esmagadas, bitucas dispersas, as paredes sujas e um teto de madeira escroto. O filho segurava agora uma lata recheada. Solícito, convocou o pai para o segundo ato:



- Obrigado filho.



Depois de umas cinco sessões de cada, a coisa mudou de figura. Começara a troca de acusações. A harmonia, que nunca fora das melhores, degringolara de vez. Os olhos de Jorílson Maicon brilhavam de forma intensa, gigantescos. Não conseguia ficar parado. Contorcia os lábios, noiado, inconsequente nos mínimos gestos. Então apontou o indicador na cara do pai, quase cuspindo:



- Seu monte de merda!


Haveria troco, mas ele não sabia. Furioso, Jonathan empurrou o filho. Jorílson Maicon caiu de bunda numa lata amassada de Kaiser. O pai chegou mais perto do filho. Abaixou-lhe as calças. Com ódio e rancor, inseriu um pão francês inteiro no ânus peludo do Jorílson.










parte I
(http://vozeriodoinferno.blogspot.com.br/2013/01/jnt-father.html)

quinta-feira, janeiro 24, 2013

BLÁUBIO


JNT FATHER


Beijara as magras tetas de Mayara Caroline desempolgado, desprovido de qualquer inspiração. O carinho era um estivador morto à vassouradas em algum lugar da Carolina do Norte, durante o último trimestre.

Então Jonathan abriu a braguilha. Os procedimentos seguintes os de praxe, em mecânico andamento. De pulseiras coloridas e brincos de argola no maior budum pós baile, a rampeira desmoronara na cama. Bufava e sorria, posicionada no velho esquemão frango assado. Jonathan aproximou-se e deu início ao festão. Mayara Caroline era fanha e barulhenta ante a tais estímulos. E dali surgiu Jorílson Maicon, um intolerante degustador de crack.


quarta-feira, janeiro 23, 2013

XÉSQUE


MELOSA


Melosa era uma garota que abrira as pernas para o Sr. Babá. Senhor não, doutor. Estudou quatro, seis anos e formou-se doutor. Doutor em que camarada? - fala pra mim. 


Então Melosa descobriu: ele tinha outra. Descobriu via facebook. Babá desandara a coisa toda na caruda mesmo, com fotos de pegação no Guarujá e tudo mais. Melosa fechou o laptop arrasadona. Entupiu-se de ansiolíticos. Preparara uma sopa de peixes minutos antes. E agora dormia no sofá toda torta, com a mente correndo como o Alain Prost em 1985. Enquanto isso, Babá bolinava num motelzinho fuleiro Bibiana, ex-rainha da Festa do Peão de Saltinho.

GARRAFA VAZIA NO ESQUEMÃO ULTRASAMBARILÓVIPUNKBLUES, CHEFIA

Bandeira do Garrafa Vazia. Cortesia do primo Sebastião Casagrande. Valeu primão!

terça-feira, janeiro 22, 2013

VIDA LONGA AO GARRAFA VAZIA!


O melhor show do Garrafa. Em termos de sonoridade, presença, entrosamento, punch, feeling, tudo! Porque no quesito de "interação com o público cantando e dançando junto", o melhor fora em 2011, no Porão, em Itapevi. Mas voltando: o show do último domingo (vinte de janeiro) foi histórico, simplesmente demolidor. Encontramos o caminho da ruína, finalmente. Do caralho a sonzêra, meus amigos, eis a verdade! E vida longa ao Garrafa Vazia!


A RUA SEIS É UNDERGROUND


PELA MANHÃ DE SEGUNDA, NA AVENIDA TREZE

Nunca a Avenida Treze fora assim, tão indescritível. Pela manhã, o sol, tão brando. Eu passo por ela. E ela, concentrada, não me vê. Eu a vejo pelo coração. Ela está de preto, a mulher da minha vida. Concentrada. Séria. Eu passo rapidamente. Torna-se então mágica a calçada. Sonhadora a jornada desta fatia de quarteirão, e delirando eu volto pra casa. Guardo um sorrisinho na alma, e o amor crescente que já era tão mais que perfeito, é indescritível - eu giro o planeta, eu giro a terra - amor, eu preciso de você. Pela manhã de segunda, eu sou o homem mais apaixonado que existiu na Avenida Treze, e no céu também.

sábado, janeiro 19, 2013

TUDO MERDA: A VERDADEIRA HISTÓRIA DO THE DOORS

Jim Morrison foi um cabeludo fashion. Lia o sensível Caio Fernando Abreu e imitava a breguice do cantor Eddie Vedder. Estudou Moda na UNIP e comprou uma calça hype. Escreveu canções como Paulo Coelho inventou best sellers. Sua banda de baile se apoiava num som de teclado de churrascaria, inspirado no RPM. Sua morte precoce causou comoção comparável a de Cássia Eller.

GARRAFA VAZIA AMANHÃ NO PEPPER, EM RIVERSIDE!

Daqui a pouco mais um ensaio do Garrafa Vazia!


   Hebert, Mariones e Vadio = Garrafa Vazia



Garrafa Vazia é uma banda de garage rock formada na cidade de Rio Claro (interior de SP) em 2009. O personalíssimo punch punk rock/garage punk do trio pode ser conferido em seu último trampo, o famigerado "Pedrerage Sessions volume 1 (2012)". Faça o download!

http://licordechorume.blogspot.com.br/2013/01/garrafa-vazia-pedrerage-sessions-01-2012.html



E amanhã o Garrafa tocará no Pepper, a partir das cinco da tarde. A banda The Demaris também fará parte da festança junto aos malacos. Compareça, chefia! Domingão nervoso na área, e a diversão é garantidis!


quinta-feira, janeiro 17, 2013

ALGUNS AMIGOS


MAGIC JOHNSON NO GONZA MAKIS


Estamos aqui no Gonza Makis, eu e meu amor. E não é que recebemos a ilustre presença do astro Magic Johnson? Incrível. Magic estende sua gigantesca mão direita ao proprietário, nosso amigo Léo Gonzales. O brilho dentário fora constatado por todos na hora em que o ídolo pediu seu chá vermelho de amora. Pura elegância no gestual do ex-craque do Lakers. Magic pediu o temaki do dia: o famoso Cidadão Kani. Comeu dezoito e partiu quase batendo a moringa no teto, sem pagar a conta.



SOU BOY

Ombelico.JPG
Gorgulhos era um cara emancipado. " A vida é minha, faço o que eu quiser".  Entrou na boate Seo Pimenta de sapatênis. Noite de sábado estralando na velha Rivers. Gorgulhos era um cara com corrente de pitbull no pescoço, ouro puro. Caçava garotas retardadas com cantadas juvenis após engolir uns energéticos batizados. No camarote do Galhardo , cutucou Marcela. Ela acenou com um tapinha no ar, a queima roupa soltando uma piscadinha, maliciosa. Estava de tomara que caia e de pileque. Quando foi arrumar o decote com as unhas postiças e afiadas, um pequeno vazamento agitou o Seo Pimenta. Na pista de dança, Bruninho Lemos patinou nos peitos da Marcela.


terça-feira, janeiro 15, 2013

VELÃO MATADOR!!!

Lendário Velo Clube, parabéns! Estamos nas oitavas! Trucidastes o Internacional com garra e fúria, em campo você rugiu Velão! Com vibração e punch de campeão ergueste dentro do Benitão o grande paraíso! Velo Clube, amor e glória dentro das quatro linhas, com muita raça e alegria, e o apoio incondicional de sua eterna torcida, que parou Rio Claro, parou Rivers em plena terça-feira,  reluzindo epifanias numa memorável, inesquecível tarde de janeiro. Os gaúchos caíram e a Copa São Paulo de Futebol Júnior rendeu-se ao fulminante esquadrão rubro-verde! Dois a um, placar final, Velo Clube classificado.







ROCK NA ROÇA

O que me empolga numa cidade ananias são as pessoas. A trutagem é o céu da roça, que resiste ao peso dos dias. Caminhar, caminhar n...