segunda-feira, junho 30, 2014

stupid fingers

Você vê Keith Moon - ele é a música.

Você vê pessoas que querem tocar rápido seus instrumentos apenas pra impressionar - eles não são a música, são as sombras de bronhas institucionalizadas no vazio, esquemáticas sequências da previsível aridez, ele são fórmulas tristes na calçada de uma vaidade tola, a arte morre.


Enquanto isso, outros dedos existem. Outras aspirações e inspirações convivem, escolhas são sagradas.



Assim, você vê Neil Young - a música é ele, ele é a música.


sexta-feira, junho 27, 2014

Assistir um filme porcaria com um chegado, pirando e rindo com a merda da dublagem, sempre tonta e divertida, 100% chulé. E porra, besteirol, taí uma palavra que não dá conta do que é curtir numa nice qualquer babaquice sem compromisso, entre gargalhadas sinceras e sossego hard rock na atmosfera.

Eram dias difíceis. Sem muita grana no bolso, porém com muita gana na alma. Lugares para sonhar acordado estavam disponíveis. E haviam os velhos amigos, grandes parceiros.

E os discos! Sempre os discos pra darem uma moqueta brutal bem na fuça do marasmo. Lentamente tudo ao redor parecia fazer mais sentido. Pelo menos para ele. Fazer ou não sentido, a vida ilógica ou suportável, não havia muita conversa nesse sentido. As sensações eram mais importantes.

O mundo das sensações. Dinamite, sossego, ilhas de preguiça em pernas esticadas naquele domingão duas da tarde. Viajar um pouco, ou rodar pelas ruas da infância, tentar ser uma melhor pessoa e desistir de espancar algum filho da puta. Simplicidades da canção, dias duros e poucas poesia na cidade deserta.

sexta-feira, junho 20, 2014

LADO B, ZEBRA PUNK ROCK, COSTA RICA SENSATION

A lógica é um colete de cocô, cocô-lete: veja a Costa Rica sair desacreditada a caminho do Brasil, após perder num amistoso pro Japão.

Então a Copa é realidade: encostado o time aqui no Brasilzão e lá vai ela regaçar Uruguai, Itália.

A Costa Rica é foda pra caralho.

sexta-feira, junho 13, 2014

COPA 2014 !





Começou a Copa no Brasil, 2014 lá vamos nós.



Informação é tralha, metralhando a paciência antes-durante-após os jogos. 

Todo mundo tem o veículo, o foda é saber guiar.

E com sete horas de atraso, veio a abertura. 

Rolou um jovial jogral envolvendo a Maísa apresentadora, a Glória Maria com a camisa da Portuguesa e a Regina Duarte. Tivemos um adestrador de dóceis cãezinhos distribuindo cartões e dicas pra depois vir a música! É! Com o Ray Charles numa blind leitura para Claudinho e Bochecha, Ray vivo no tecladão CCE, "puro playback" disse o pessoal roqueiro do Jota Quest.

E o Faustão? Magrinho, magrinho saindo do centro do gramado, folia programada, era cuspido fora da nave da Xuxa, pra encontrar com o Gugu de cueca vermelha, tórax sensível que driblou o Fausto e acabou dando selinho no Ricky Martin, que na verdade era o Luciano Huck de mentirinha do Pânico, muito engraçado.

A Fifa ignorou o cientista brasileiro e o exoesqueleto.

Mas a entidade tem um recurso bacana agora, avisando quando a bola entrou, traz uma visão área que faz da partida um tele-jogo.

Fuleco, o mascote, é ânus em alemão, e está trocando figurinhas. 


Enquanto isso Kélcio queria virar mártir com o sentimento anti-copa. 

Muita argumentação foi gasta, uma loteca do achismo melindroso. 

Vários amigos inclusive exageraram no emprego da xaropagem e ganharam cancelamento instantâneo de assinatura do Facebook.

E dá-lhe porrada na púliça em SP, famosos lendo Stanislaw no mictório, capacete do SBT usado como bola, e o Marcelão empurrando pra dentro, um a zero Croácia.

O hino cantando em uníssono deixou o Galvão todo Arnaldo.  

Ingressos a preços populares.

A chuva não afetou a grama gringa.



E o Itaquerão chorou mijo Heineken, e aí que a Dilma na pilha soltou um pum no camarote, pum que foi facilmente abafado pelo hálito do Zé Blatter.


E o Brasil levou por 3 a 1, e o Oscar barbarizou a Croácia.

Questionado pela mídia sobre sua titularidade tão questionada, Oscar basicamente foi de PS3, e na véspera foi-todo discografia do Katinguelê, chuteirinha moral  e o Felipão de roupão sujo de sucrilhos trouxe até uma almofada do Pluto pra fera sonhar com o barbante.

E o mundo inteirou parou para rever o lance do pênalti em cima do Fred.

O que poucos viram foi que, na hora h, o centroavante ficou vesgão igual o Quico segurando a panela quente. Aí foi fácinho pro japa assoprar, que foi legal o lance pra se apitar alguma coisa. 

Enquanto isso, Leonardo di Caprio ouvia Bizarre Love Triangle na Web Rádio Xibóquinha, de olho no Kaká.

Depois vieram as inovadoras entrevistas, coletivas com Tampico de fundo, assessores de imprensa e seu chantily de eufemismo, chuteiras coloridas com cadarço analfabeto, etorcedores xaropes reclamando que faltou clima de Libertadores e maços de Eight em pontos estratégicos da Avenida Bandeco.

E hoje Camarões apanhou do México, com o destaque para a arbitragem, que é bem péssima, "é muito treino."

Outra coisa chique: o discurso da Espanha (do cafetão Casillas) ! Discurso que soaria arrogante se ela não passasse de uma quase França das Copas.


Rascunhão em cima da hora pruma Copa ainda rascunho - e simbora que o Van Persie é decisivo. Holanda 1 X 1 Espanha, final do primeiro tempo. Cadê o recorde, Casillas? 




terça-feira, junho 10, 2014




Numa esquina, o stress no trânsito de Rio Claro ousou apagar a poesia de uma manhã azul, tingida por quentinhos raios solares. 



Em vão: a transmissão da tranquilidade prosseguiria, sem crise. 



Enquanto isso, o silêncio do Centro, oito e pouco da matina - e pelas calçadas acenos de cabeça entre vívidos transeuntes, como se irradiassem sem esforço o mais puro sossego dos dias.

quarta-feira, junho 04, 2014

CLASH OF THE TITANS

Final da Copa deveria ser Brasil e Argentina.

Total alegria sudamerica, raça e marotagem, malandragem e o brio do sangue latino deslizando em fúria pelo gramado.

O futebol argentino, quando bem representado, é uma banda agressiva e lírica, une "o acreditar, o fiel empenho", ao mundo milagroso da chuteira hendrixiana. 

E vive a cena: aliando árdua marcação e arte na criação, vibração rock and roll e picardia no palco dos noventa minutas, esta é a histórica e imortal, valente e valvulada seleção Argentina.

LOGO ANTES DO MEIO DIA, RUA 7, RIO CLARO

Rua plana, Rua 7: um casal de vovôs ao vivo na bicicleta.  Os dois flutuando na Barra Forte- ela na garupa de sombrinha... e ele no piloto, cuidadoso, velocidade reduzida, o antebraço destro 100% segurança.

Bela cena, meio dia, friozinho e sol misturados no banquete. 

Uma Sandra de Sá mais idosa tem esta visão bem observada.  Ela acompanha o casal, guerreira, do outro lado da rua, do outro lado da história. Com um big boné descolado, amarelão. 

Outro senhor passa pela sombra e ri, suavão, grisalho e feliz, setentão, alma na maciota.

Horas antes, uma cinquentona disparou: "é meu filho, o negócio é traficar tijolo, aí eu vou ficar RRRRRica, ocê vai ver!".

Assim é Rio Claro, logo antes do meio dia, logo antes da hora do sossego, azul tranquilão o céu.



segunda-feira, junho 02, 2014

RESENHA: NIHIL GUN - FUCK CLERKS





Aopa! Chegou o debut do Nihil Gun, banda de Leme, interior de São Paulo!

Registro da resistência, registro da contundência !

Que remexe com o crânio, remelexo revolta DIY, com direito à recorrente audição repeteco!

Afinal, são nove pedradas magistrais que vão renovar você.

É protesto com alma, com vida veia suor.

O punch é terrorista e o verbo-contexto concreto, de senso de humor coerente e chapa quente, aliado ao trampo gráfico belíssimo, corra e compre o seu exemplar, que a tiragem é limitada!

Fuck Clerks é o nome do belo long play, Bolsonaro no pau-de-arara e o gosto de lucidez manifesto.

Integrantes, formação ?

Guitarra-batera-garganta: assim que é bão !

A guitarra suja do Cidão é guerrilha crua, a batera bandida do Joey é pura combustão na rua e o vocal do Madeira é sanguinário, podrão, sincerão.

Eu orço, orço e orço de novo !

Ora você pula, poga, bate a cabeça no muro, canta junto até guspir sangue, dança sem censura e depois sai voando em círculo nóia pela própria imaginação - e porra, aí você pensa: quero estar com estes 3 camaradas dando risada enquanto irrompe pelas calçadas nossa humilde liberdade.

pode apostar, Lindomar

confuso, vagabundo, folgado. louco por futebol e rock and roll, aquele flamejante, conhece? incendiário, de libertação. louco por liter...