segunda-feira, agosto 31, 2015


  1. Olha que são as quatro da manhã, uma é signo e garante a dança das outras, o galo xingou deve precisa quatro horas ouço o correio lotado pedido é pedido remetente que atenderá, atenção quatro e três quatro queijos era uma tão lírica pizza..pena que faliu a Zoega, cinquenta anos  após quando quatro horas e cinco minutos...

na madrugada o quarto espirro

O gato assim acalmou esbofeteado pelo gato que era calmo, é calmo fica gells e o gato esbofeteado sangrou muito pouquinho mas mandou um espirro triplo de gato envolvido. 

934

Repeteco o treco o objeto que a gente engoliu o trapo o cão bebendo rivotril, repeteco o ouvir, rua sete o repeteco dois pés andando pisando meio torto repeteco o monstro ou ogro que derrete. E o repeteco reincidir que o senhor pediu, olá não digo repeteco contrafeito - televisão senso comum tibum reprise representar, olha só que diferença repeteco e a crença, ciência e baronesa, reportagem sobre alimentos que respira, repeteco,

sábado, agosto 29, 2015

o conto sumiu


porra, ontem brotou o esboço, seria um conto e tanto, bem tonto.

mas hoje sumiu. lembrei agora que sumiu de novo. e de repente some mesmo. e se sumiu, sumiu sem velocidade, tem que sumir de ar sério, sem chance eu acho que era o céu de merda explodindo bem no meu cabelo grudento, sumir é sensacional, sumiu, explodiu em bosta, olha aí, os pequenos contos prezepando a pobre senhorinha toda curva comprando abacaxi no pão de açúcar em 1992, masmorra repleta de ruffles afunda o teclado.

sábadão


e o sábado nasceu três e meia da tarde. é brin. brincadeira, genéco. sonhos tão demorados, o ronco é dose. o sábado sabe que vem mais preguiça na panela do pode pá, mas é a tranquilidade que dá as cartas, carinhas amigas como bolachinhas gentis, olha aí, é brin. brincadeira. na geladeira a preservação do nosso sangue, nossos pensamentos virando pausas no sofá, olha lá, almas amigas, acolhedoras almas, o sábado do nelson era ilusão, o sábado saiu de braço dado com a lua, lua cheia, nunca debussy viu a lua peidar, porque ela é nossa truta, sua aura é dez, descuidados viveremos imersos dentro do instante, cada pata do gatinho é em câmera lenta repisando a verde coberta, olha lá o semáforo, abolido, atenção é algo legal, bach são mateus e agepê na playlist da folia, vamos lá, vamos viajar tonight.

7890654



oi, acorda
sou abrigo pote
você é flocos

neve é creme
sobremesa
virou colher

domingo, agosto 23, 2015

SIMBORA, TRICOLOR!

hoje o flamengo
quinta o sub20 do ceará
assim o tricolor não vai!




"Corotinho" - Garrafa Vazia



Novo single do Garrafa Vazia produzido pela Pé de Macaco S/A
Gravado e Mixado por Rodolfo Nei
Masterizado por Rafael Simões

"Corotinho, corotinho
Corotinho é o milagre no potinho

Moeda, centavo, bituca, cachaça
Moeda, centavo, bituca e desgraça"

quinta-feira, agosto 20, 2015

sexta-feira, agosto 14, 2015

sexta-feira

Na garagem quietinhos os gatinhos esperam. Amiguinhos e tanto. Chegamos e a casa cresce- dilata tempo miau, somos esse pézão gigante felizão miau, cheião de cachaça na alma, na veia é alegria total.

Sexta-feira sugere arruaça. Diversão, punk rock, Bruno Lóque enchendo lata. Conhaque brilha no rosto, sexta-feira virou fumaça.


Eu sou de esquerda. Muita gente diz abobrinha segura copo estufa peito gola pólo  bar de caroço, clima de azaração, papo  "ela é muito fauça". Eu não sou assim - eu curto Lima Barreto.

terça-feira, agosto 11, 2015

VIROSE

Ele queria era rodear o leito de Maicon, tecendo-lhe beijocas atiradas à distância. No entanto, nem todas bitocas eram bitocas; Maicon recebeu um sopapo, e como uma folha de almaço rascunho foi subestimado, rasgada-lhe as bochechas.

Agora era pisoteado com afinco, o estrado da cama reclamou. E também logo expirou, pléqui - PUM! nossa, o pessoal lá embaixo percebeu, olha que o burburinho é geral, champanhota na chón, apague a luz e expulse o pessoal do clube, Lulu, fala que é virose.



segunda-feira, agosto 10, 2015

LURKERS !


Às vezes você não percebe logo: era Lurkers!

Lurkers, você precisava escutar Lurkers! 

Mas porra, parece que era impossível lembrar!

Porém, antes que eu sequer suspeitasse, o filtro de barro instalado na minha cabeça apitou. 

Não me fingi admirado: realmente, Ripped 'N' Torn, disco de 1995, talvez seja pouco conhecido, mesmo entre os mais fanáticos pelo lendário punk rock dos ingleses.

Então escutei. Numa boa. Só na manha. 

Pura curtição.

Sem motivo para cólera, havia refrão, energia, assim ruge a vida.

E pela na madrugada havia uma certa conformidade com a esperança, sentir e pensar, a morte não era vinculada e tampouco temida, a morte que vá se foder, viveremos doidos e debilóides dentro dos mesmos três acordes para sempre.


segunda-feira, agosto 03, 2015

CARLINHOS BAD BRAINS

Quando o Bad Brains emergiu dos falantes pogava-se uma barbaridade. 


O peito levava chamas para onde estava a vontade de viver. 

Quem já o esperava com ansiedade, era o Carlinhos. E com razão. Pela razão, dizia ele, escolho algumas bandas pra gostar. Com razão, concordo, chefe.

E ali no Bairro Bisteca era um dos poucos rapazes que ainda preservava o gosto pelo rock veloz. 


Dá-lhe, dá-lhe Carlinhos!

sábado, agosto 01, 2015

CONTROS DO CAMARGO

Era um som essencialmente adolescente, diziam alguns.

"É som de nenas"


"Você gosta disso? Vai se foder mermão, isso aí é o puro pop punk pirulito!"

Era essa mania de parecer libertino, mania que parecia responsável por cercear, garantir o gosto alheio. 


Sim, o som parecia casto por princípio e de temperamento acentuadamente melódico e um tantão infantilóide. 

Mas era um som Master System, um entretenimento alex kid, bem mais legal que a porra de um patins.

Fazia o seu fliperama elevar o astral da moçadinha, o Millencolin. 

PROBLEMS

Cegonha empalideceu. 

- Gente, ajuda aqui! 

As mocinhas do bar entraram em pânico.

O gerente procurou tranquilizar a galera, dizendo que era apenas um desmaio. "Acontece".

Insensível às suas palavras, Gustavo partiu com a esquerda pra cima dele, e o gerente foi parar no sofá, bóim.  O gerente era do sofá, e permaneceu alguns segundos fora do ar. O Gu deu um murro e tanto, enquanto o Cegonha apagado ouviu como náufrago a melodia de Problems dos Pistols...

Gu deu alguns passos tensos no bar, acendeu um baseado, e foi sentar-se ao lado do Cegonha. Depois, como se os lábios tivessem medo de deixarem a boca seca, pediu uma Kaiser e esperou Cegonha ressuscitar.

CURTINDO UM MONTE


Subiu lentamente as escadas do cérebro. 

A porta do fundo estava aberta. 

Resolveu arriscar: rolava um show do The Damned, lá pelos idos de 1978. Firmeza total.

Foi chegando de fininho. Entrou meio com calma, meio no mocó... 

Avistou o palco pequeno e intenso, barulhento. Aí sim. Luzes vermelhas, luzes baixas. Uma galera agitando sem fim. Entre pulos e pogos, "Neat Neat Neat" ecoando, era esse o espírito, porra. 

Entrou no meio, que se foda, punks derrubaram-lhe cerva na fuça, um cigarro bem aceso deu uma bitoca na bochecha, assim aceso ele continuou curtindo, ruído fissura, e foi até à euforia, pessoalmente - neat neat neat - sem que sentisse apatia, sem que sentisse preguiça, apenas pulsava no peito três acordes, era PAIXÃO. Jejéco estava pertinho da diversão compreta, com o rosto completamente chapado de folia.

OUVINDO HARDCORE E LENDO ESCRITORES BRASILEIROS E DO TIO SAM

As pessoas estão sem coragem.  As pessoas brincam verbalmente nas redes sociais perpetuando o lado cômodo da vida.  Já é uma bela bos...