Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de 2016

LUZES NA MANGUAÇA

Estar numa banda. Estar num grupo.
Fazer parte. Fazer parte. Fazer, construir. Construção, mão na massa. Cooperação é cooperação, bora atacar.
Correria, pileque da alma, minimalismo que avança, solo bêbado de guitarra, batuque deixando a turma dançante, festa mil grau, celebração da vida, porque daqui a pouco todo mundo vira presunto, presumo eu.
Estrada. Fazer existir. Rodar, rodar. Vingar. Construir. Mais estrada. 
As cordas do baixo carregam sangue. Sangue. Ficar surdo. Baquetas estralando obstinação. Surdez como razão.
Pogar de zóio fechado, pogar até morrer.

Viver imensamente vendo ouvindo sentir, viver viver , viver até estragar, viver com tudo, viver explosivo, o sorriso da turma, amizade, amizade, sangue na cabeça, ebulição, ouvir os discos juntos, smoke tapes, observar o riacho de risadas invadindo a madrugada de sonho, luzes na manguaça.
Quando é muita pregação,  o Josias desiste do rock. Ele remove os pé da goma é pra curtir, não pra ser assaltado por microfone demagogo  repeteco de panfleto.

Novo single do Eletro Doméstico com Philip Long: Reine sobre mim

Leveza. Leveza como atributo dos dias, leveza que conduz.



Assim tranquila, a cadência. Leve. Porque tênue avança, e se desfaz, mas não por completo. Permanece.


As palavras pulsam no gramado dos sentidos, espalhadas aos poucos, tão breves, tão lentas.


Devagar, vão entrando dispersas por aquela tarde, pelo cômodo vazio. Deslocadas do óbvio, perseguindo dúvidas, entre ecos paredes de histórias, o semblante, o espelho, dor lamentos elegias drenando o tempo, o piso arrastado, espalhadas aos poucos, tão breves, tão lentas.



O amor revela vozes expande recolhe marcas, como se insistisse o céu, pés descalços, acordes em devaneio - Reine sobre mim é uma bela canção sucessiva, intensidade contínua, ou talvez a triste lucidez perdida.

NUNCA

Blackned crust.
Bateção de cabeça constante.
Coesa massa suja que infesta você, cardíaco batimento trafegando total odiosidade, eis a estréia do NUNCA.
Rápidas ruínas em fúria no comando interno rítmico , ouça bem alto, nos  fones, de preferência.
É, o barranco  caos tragou você ao percurso dos cânticos devastados campos em pb, riffs que agressivos grudam ao final de cada audição , diy, o zelo pelo inconformismo e o maldito bom gosto em tudo aqui, a estréia que ressoa prolongada, pelas 4 doses da destruição.
Produção do porão da Pé de Macaco Discos, lá de São Carlos.

Gravado e mixado por Rodolfo Nei. Masterizado por Rafael Simões.
Play!
https://pedemacacodiscos.bandcamp.com/album/nunca

UM BAILE DA PESADA

e domingão tem mais rock em Rio Claro.
serão três bandas.
o alucinantemente veloz Braincrusher aparece às 18:00 horas.
dispois, o rock folia do Garrafa Vazia, às 19:00.
por fim, eles, o combo thrash metal de Cordero Hell City, o grande Final Holocaust.
entrada: 5 merréis
o El Gato Snooke Bar fica no centro de Rio Claro. Anota aí: Avenida 2, entre Ruas 8 e 9.

bora lá trombar os amigos, tomar umas, jogar uma sinuquinha, lembrando que o bar tem uma área externa pra fumantes e pra turma pegar um ar depois dos pogos e moshs. 
fechou, recado dado.
Domingão tem
UM BAILE DA PESADA !




Excursão do barulho!

Garrafa Vazia, Alerta Mental e Braincrusher: excursão do barulho pra Indaiatuba!
o negócio é negar a luz do dia. noite noitada monstro,  entorpecimento pesado, luz do dia raio de sol tunga brisa, encerra cardápio, nem adianta óculos, o ambiente precisa ser escuro, esqueceu?
inferno é  autodestruição estilo foda-se energia tocar viver  pra arregaçar, até morrer, suor atitude e gana, dedo sangrando, incurável coriza, acelero nos braço perna, microfonia no coração, mente que voa curtindo à milhão, a carcaça exterminando qualquer neurose de merda. Rock não é terapia, é convivência  sambarilóve som que cria xulipa beldo distortion veja a turma curtição  uia vai dançante sensorial sem adjetivo, invenção intuição telepatia batuque bailão.
Excursão dentro da cabeça.
Você e eu, eu e você.
Pensamento tupperware.

III ZOMBIE FEST

bicho, domingão é dia de rock.
enquanto muitos encaram uma depressão (justificável ou não), travados na internetzinha, hipnotizados pelas mesmas palavras numa tela, o rock não tá nem aí. 

e ao AO VIVO é outra conversa.
aliás, 2016 tem sido foda aqui na praça. 

rio craro é rock, fí !
sem bairrismo, mas a safra tá linda...
são 190 mil almas, e o rock não morre.

Rio Claro concentra uma porrada de bandas fodas, que mandando som autoral de qualidade, estralam em autenticidade, identidade...


Mas enfim, vamos ao que interessa:
III ZOMBIE FEST
pois é, o domingão foi nessa pegada citada: criatividade e raça, vontade, chapação...
fui pro rock, felizão da vida.

o baile era lá no Tortuga's, casa/pub responsa que tem recebido o fino do estilo. um puta ponto de encontro bacana.


e o Zombie Fest tem tradição.
sempre traz bandas feras pra city, como o I am The Sun, só pra citar uma delas...
o Zombie Fest é contenção.
promove intercâmbio. 

promove encontros concretos.

promove o bailão,
promove o calor da convivência,…

É sério, Lucas?

Lucas, os meios de comunicação , essa prótese idiota do real...Essa dimensão de ordenar  as coisas que o público idolatra.Lucas, essa função social dos meios de comunicação, sabe?Hoje  o indivíduo apagou-se.Pra sair dessa condição, tornam-se psicóticos, seguem , reproduzem os meios de comunicação, como religião.Dos meios aprendem a não pensar.E então repetem violência verbal e imagética.É contagioso.

PC SIQUEIRA SE AMARRA NO COROTINHO !

Pc Siqueira se amarra no Corotinho!
veja em: https://youtu.be/1pokKpo8y3k?t=1m28s
link da música: https://youtu.be/F0skQOrSgjc

Concreto

Ouço que a vida é visceral, ouço as vozes dos verdadeiros amigos, consoantes, verdadeiras.Veloz, a vida. Veloz a velhice das coisas, do mundo, dos corpos.Ouço que a vida tem 3 acordes, e vejo  atitude, possibilidades de ação direta.

O craque André! Hahahah

Corinthiano pipoqueiro e perdedor.
A fumaçaria, que aprova os hábitos do riso, estralou folia .

POGO

O pogo levantou a roça, o pogo chapou inté dorminhoco.Fiquei torto, ele disse não, eu não sou subserviente.Foi o que estralou, e o pogo não parou.Era a chapação dos hardcore punk.
Marmanjo e chapado,  de zóio trincado no banco da praça.As frases saem esquisitas, disse Serginho.A vida é o pega-pega da morte, avisaria o Serginho Kafka.

Heróis das arturas!

Somos destruidores.O tricolor paulista representou. A peleja  em La Paz era brutal, e nós powerviolence arrancamos o empate - com 3600 metros  de altitude conspirando contra nosso manto sagrado.Porque sobrou atitude, entrega. Somos destruidores, jogamos com alma, como gigante na garra estralantes, somos vulcão na chuteira. Saímos classificados, sob
adrenalina do capeta - e agora é mais uma guerra, desta vez contra nuestros hermanos mexicanos.TRI-CO-LOR !

Café

De repente você é o café. Vive a transformação,  destemido.Você  não tem medo de pronunciar-se.Pode pular mais alto que a vida, das novas alturas de  empolgantes dias.

Clerces

Clerces entra no Solange Super. Clerces escolhe um carrinho enferrujado. Gosta dos carrinhos mais baqueados. Na condução das compra , cata um mandiopã e vaza. Clerces abandona o Solange Super, o sol suando cachaça.

Demolir

Aí sim, num crimão get it on. Demolition Doll Rods na cachola, cabeça vitrola.Noite quente, temperatura  terror temperadão - satanás de boca seca.Preocupe-se com os detalhes.Os detalhes deitam doentes,  depois ao meio dia estão bebendo cachaça, beldo demonzords despertados.Bagana Jones gruda o fuzz no pente, grudado no tempo, no espaço grudado fuzz explode dopachado.Acordes podres, grito sujo.Descansar antes de morrer prefiro dançar até sangrar, degolado marasmo.

Um dia recheado

Hoje sim.Acompanhar futebol, viver a paixão: pluralismo  de doidera também  disponíveis no cardápio. E no playoff do basquete da NBB, o bagulho foi doido:  o basquete  de Rio Claro eliminou Franca.Depois o  tricolor destruiu o River  Plate.  A torcida incendiou os dois jogos, e o Morumba viu 51 mil pessoas baterem na maciota o recorde de público no ano.Simplesmente  animal - dia recheado, el espaço-tempo arrebatador, numa quarta-feira  pra lá de viagem.

BOATO OU LOROTA?

Quando esse blog foi procurado pela Editora Abril, a Tininha levou um susto.
Quem poderia se interessar em publicar tais asneiras?

Mas sim, a sondagem era real.
E, pasme - o pagamento seria efetuado em cheque!
O Miasminha curtiu-se, aumentou o som, ali na dele, ouvindo "O Imperdoável", do grupo Metallica.
Miasminha apreciava o material do conjunto, e lembrou-se  saudoso das montanhas de fitas k7, os hits gringos dos anos 80 e 90 nas fm´s.

SIRICOTICO DO PETER

Firmou-se no siricotico, se amarrava em Major Tom.


# 01.01

Enviar cócegas, ouvindo Tell it to my heart.


MUITA CURTIÇÃO

Instalou-se nele o vírus bobóide. Pilhadão na alegria cheia de bobeira, surgia ele sussa pela tarde, perambulando massa, montando sons sem sentido, na sala. Ele ia do improviso ao balbucio incompreensível, si sil, fu fu, pilhadão de bobice, puramente curtição - ele era um cara firmeza.
Era chegada ela, a hora da farra. Então, levantava os dois indicadores, as mãos em festa para o céu, balançando o corpo todo, afinal aquele era seu carnavalzinho suavão, como se o rumo do feliz foliasse nervoso pelo corpo, e a sala também esquentava como seu coração.


Alô, alô o vovô chegou. Põe mais cachaça nesse coração churrasco, vovô! Põe folia! Porque simpatia, ele e o vovô também tinha!
Lembrou-se de mais riso. É. O seu tio era dono de uma expressão chique demais: "que foi? dinheiro não tenho...". Era aquela coisa de onda certa torcedor ancestral do Flamengo...


E depois ligava a tevê e se amarrava no Fox Sports Rádio. Na mó fissura. Via as cornetadas, a voz do torcedor, curtia sem fim essa on…

GARRAFA VAZIA - PUNK ROCK É LIBERDADE (LETRA)

Faça você mesmo
Faça você mesmo
Faça você mesmo
Faça você mesmo

Punk rock é liberdade !
Liberdade
Liberdade

Noites quentes, noites punk rock hardcore.
Noites com gol de Suárez, guitarras crunchando pelas paredes. Noites devastadoras, a alma sorriu.

Porto Ferreira é rock and roll

E o baile estralou lá em Porto Ferreira,  no Calçadão Municipal. 

Grupos marotos de punk rock, crossover, rock, rock alternativo, hardcore e stoner promoveram o  balanço de sábado, lavando a alma da turma.

Um bailão épico no interior que reuniu gente de todas as idades, numa sintonia sambarilóvi.

E a festa rolou até altas horas ao som do Braincrusher,  Estação de Energia, Projeto Mudo, Melindra, Garrafa Vazia, Alerta Mental, Pata de Elefante, não necessariamente nessa ordem.  Porque a cooperação e a camaradagem davam o tom do arrasta pé. 

Carrinho de churros, pogo, interação entre a galera, presença do Ação Tóxica, filmagem no capricho, discurso consciente do Saulo do Alerta Mental sobre igualdade,o Garrafa Vazia quebrando  palco e afundando junto com ele, teve de tudo.

 O Toma Róque segunda edição vai deixar saudade, ele e a caravana da amizade que estava trincando o sábado.  Valeu Rota  underground,  Bruno Tomaiolo do Melindra e o Betão do Projeto Mudo e toda turma. É nóis! 


GARRAFA VAZIA DE VOLTA À SAUDOSA PORTO FERREIRA!

Porto Ferreira é uma cidade parceira, que me traz grandes recordações.
Os amigos, o clima de brodagem emando. As grandes bandas.
Os festivais, os encontros.
E amanhã será uma grande oportunidade para nós.
Reviver, criar, celebrar, tocar até os dedos explodirem sangue.
Vamos juntos, é a caravana da irmandade.
Alerta Mental, Braincrusher e Garrafa Vazia - bandas que tocam com o coração, cujo espírito sempre será o de cooperação, união...

E as bandas de Porto estarão lá, é claro. Grandes parceiros mandando bronca em suas ótimas sonzeras!
Vai ser demais!
A correria do pessoal é muito grande, o underground é alegria.


Vamo-que-vamo, que o rock and roll viceja na pele no sangue na alma!
Lembrando que é lá no Calçadão, entrada franca!


Obs: cartazão fudido é do amigão e batera-monstro do Projeto Mudo, o Betão!!

FUTEBOL EDUARDO GALEANO

A Tininha se amarrou no gol do Philipe Coutinho.

Vocês viram a pintura?

Coutinho recebeu pela esquerda, quarenta e cinco do primeiro tempo.

O Liverpool perdia por um a zero.

Aí o camisa dez mostrou porque é o cara.

Com classe, trouxe a gorduchinha pelo lado canhoto do gramado. Encarou, driblou fácil Varela, deixando o pobre atleta do United na saudade...

E ele prosseguiu suavão, avançando numa boa...

Assim dito, Philipe Coutinho chegou bem pertinho da pequena área. E, na frieza pra decidir, plá, deu aquele totózin na criança: UM VERDADEIRO GOLPE DE FELLINI !

Lenta, flamejante, a bola encobriu o goleirão, ensinando uma nova melodia ao Old Trafford.

Mais que classificado, o Liverpool mostrou que o futebol ainda é palco de sonho, uma baita cachaça espocando Ramones pela alma.


NOSSA, CARLIN!

Ele se sentou mais sussa, era legal aquele assento. 
Enquanto o mundo saçaricava em hipocrisia labial, ele batia uma papo maroto, ele e sua perna esquerda, os dois tentando ignorar a dorzinha de cabeça. 
Sim, ele tinha cefaleia. E latejante a moringa, ele pegaria o canhão no criado mudo. Ele tinha visto em um filme da sessão da tarde um jeito bacana de mirar e pum: acertou o braço do guarda.

CAPÍTULO PORCARIA, COMPROMISSO DEVO

Era noite. Tininha estava deitada na cama fumando um baseado, ouvindo a melodia do dorflex, ela curte roletar pelas farmácias. A Tininha é papo sério, e sobrou na reta um tylenol ela manda pra baixo.
Começou a chover. Com o raio Tininha acordou. 
Suas conversas introspectivas eram chiques. Suas palestras internas eram do tamanho do Road to Ruin. Colocava o play e embora estivesse bem viva a palestra na mente, conseguia realizar seis, sete tarefas simultâneas.
Mas agora prefiro mudar de assunto.
Sabe pessoal, a minha editora é muito severa. Censura muitos trechos, mas mesmo assim confio nela. "Pode cortar essa parte" ou "essa parte está censurada, inclusive", essas falas aí é igual amigo corinthiano, você tem que se acostumar com eles e ponto final.

Quais são suas bandas preferidas, Tininha?

Ih, ela não responde.

Tininha voltou a dormir. Voltou com tudo pro outro mundo. Sonhou uma série incapaz de ser transportada para o Netflix.
O sonho era em Hamburgo, e a Alemanha vivia…

ESPN BRASIL PERDIDA EM CAMPO? BATE BOLA DO ALMOÇO TÁ UM LIXO, CHEFIA

Caramba, a ESPN BRASIL deu uma caída monstro.
O Bate Bola do almoço, saca? Tá uma bosta. 
Deixo aqui meu cartão vermelho pro sujeito engomadinho que comanda o programa.

Ah, dá um tempo: esse apresentadorzinho de voz irritante não pilota nem bingo de playmobil. 
E essa linha de polemizar agora?

Um troço meio programa de auditório do SBT, de jogar um gc sensacionalista, vixi, isso aí não tá com nada não. Não dá. Perguntas idiotas, pautas pernas de pau e  jornalismo souza caveirão.
Fora as tuítadas de merda de alguns "fãs do esporte", publicadas na telinha, que são cornetadas sofríveis. Tá uma bosta, o bate bosta segunda edição. 

Tá certo, o PVC deu linha, foi pra Bariloche, com tudo pago. 

O Mauro não dá as caras mais, deve estar de mau humor. Até que o sensato Zé Elias entende do riscado, tudo bem. Tem também o Leo Bertozzi, que desfaz essas polêmicas farofas pique "fulano deve renovar?", com muita serenidade. Mas tá foda, ESPN. Você está perdida em campo. Cadê aquela quali…

TORTURA NEWS

Vamos saber o que pensa o Brasil. Confira opinião exclusiva de Suzana Ranheta e os coxinhas vips. Acidente em Pirinópolis deixa duas pessoas com vida. Incêndio na praia do Projac. Classe merda ocupa Avenida Boqueta em verde e amarelo. Os especialistas adjetivam a crise. "Maior POtresto da história", avisa o Degringolou Times. Profeta Vinheta deseja ibope em discurso pra lá de emotivo.
Essas e outras doenças em doses maciças na sua orelha, de cinco em cinco minutos.

BAD RELIGION

Aquelas velhas melodias do Bad Religion, prontas pra animar o fôlego da turma.

NUNO LEAL MAIA CORRE PERIGO

Depois de pensar na mancada do Nuno, Solange busca um copo de cachaça. Vai até o Big Bar. 
- Oi... eu quero uma dose de caninha da roça.
Ela é atendida com rapidez, três da tarde e a sexta-feira corre não-dodoí, embora cheia de ressentimento.
- Mais uma.
Como esquecer o Nuno Leal Maia? Complicado. Solange vai fundo, o balcão é seu brother:
- Outra.
Agora, a biqueira. Sô vai atrás de uma rocha, só pra descontrair.
A primeira paulada é demoníaca, no mocó perto da Avenida Humilde. 
Solange pensa em vingança, Solange está bruxona, seu sangue tem gostinho de violência. Pensa em pegar o cano, pensa em pipoco - mas primeiro tem que ir até Piracicaba, catar o busão.

JÃOZIN BUSH REPRESENTA

Taí, esse cara é fera nenêm de verdade.
Joãozinho Bush joga junto com o time. 
Aqui o lema é a sinceridade, avançando killerzona pela ponta esquerda.
Lealdade, o coração na ponta da chuteira, um fôlego monstrão, porque o Jãozin Bush é o truta que assume a responsa quando o bicho pega.
O parça é front - mas sem pagar comédia. 
Traz o pique medalhão de ouro cem metros rasos, com a elegância de um bom lançamento do velho Alex, enchendo de sonhos a fanática torcida do Fenerbahçe.
Seja vestindo a peita do Armored Saint ou do Anthrax, ele é puro feeling e atitude chapa quente, até a Regina Duarte se pegou batendo cabeça nos intervalos das gravações, cheia de euforia cheia de gás, Regina Duarte na contenção.

DEE DEE RAMONE - BABY DOLL

Porra, ele estava inspirado. O mestre Dee Ramone era uma nuvem surfando quando escreveu "Baby Doll". Que refrão, meus amigos, que refrãozaço!!
Não, não me cansarei jamais dessa melodia, que ao longo dos anos reverbera novas páginas, novos dias!
Essa melodia marota deixou a vida bem mais trêbada, ela te arremesa prum vale de euforia permanente, e todo lance do arranjão chapado-brega, karaokê pé de cana que explode firme num sorrisão na alma, instantâneo.


Nem vou entrar no mérito do disco solo, da época, do corte de cabelo, do contexto. Foda-se.
Vou é cantar Baby Doll na chuva, as gotas como cachaça metafísica, o sublime coro no refrão, todo mundo dançando devagarinho, pra lá, pra cá...

Valeu, Dee Dee.



noite de terça na roça

O centro de Rio claro numa noite de terça. Cemitério Fracasso. O evento será cancelado, as pessoas pularam fora, a vida noturna já élvis.

Restam algumas biqueiras, o Big Bar e velhos camaradas, e até alguma farmácia 24 horas, olha só que firmeza.

Rio Craro tem a taxa de iluminação especial para o bolso do povo, o poste é de ouro. E a turma gasta o facebook filosofando sobre a grande festinha do Oscar, toma partido na intriga no mundo do culto ao personagem, afinal a criação a obra é o de menos.

Mídia eterno replay vomita doença,  desvenda a corrupção e os esquemas nomeados operação adjetivos  patéticos,  cercando a vida dos maus leitores, retóricos colaboradores ajudando a ilustrar a historinha dos dias de hoje.

 Inclusive a bravata segue com o Clércio Internet e ele, o Google, o grande desmistificador,oráculo chupim que supostamente a burrice ameniza. Quanta gente amarga no mundo, censurando e querendo coletividade no mesmo tempero, tô fora chefe, prefiro ver os 3 Patetas.

os servidores de email estão inclinados para tarefas inorgânicas?

Esse blógue aqui tem dez anos, fí.
Grande bosta.
Tá certo, tá meio paradão mesmo. Parece até o Adriano Imperador? Sai fora. Parece com nada não: agora que estou morando em Valinhos,os peixes que criei no aquário de plasma estão em crise. Viraram seres humanos, é mole?
Inclusive ontem eles acompanharam de perto os famosos na cerimônia do Oscar. Quanta hipocrisia, "academia". Uma vez o primo disse que prêmio era hemorróida na bunda de cuzão. E eu disse que punk era o Sartre, que cagou pro Nobel conquistado. Recusar é sempre chamativo, não? Tanto faz? Se você está de mau humor, a tendência é tornar-se cada vez mais rabugento. Ah é? Foda-se.
Por isso eu digo que não canso de curtir as aventuras do Chapolim Colorado. É sério. Quixote e Shakespeare com Atari, pãozin de mortadela com Tubaína no ponto certo. Vamos lá, vamos curtir uns enredos bacanas - você saiu pra por o lixo na rua  e viu aquela cena linda, era o carteiro amigo pondo o dedo no nariz.

VIVA O METALPUNK!

Entre amigos e parças o tempo.
A vida viola viaja, vida que viu e viveu a cena metalpunk do interior paulista, que é cabulosa, monstra, cabeça e coração escrevendo as histórias do subterrâneo. 
Tantas bandas fodas, quanta folia!
Metal.
Punk.
Duas energias cósmicas do cão, o furacão rasga sua apatia, e de pesadelos o vigor brutal reverbera, folia, pogo, bangers, peso onírico e alucinações tão agradáveis, sangue escorrendo a cada centímetro de entrega, dedos em fúria, refrão, riff, chapação e celebração entre amigos.
Metal.
Punk.
Viva o metalpunk !

descarte ou marte

Sou madrugador.

Viver no dilema moral: vagabundo ou não-vagabundo? Baboseira.

Vivo para curtir,  vivo para criar.

Ouvir muita música, irmãos e irmãs.

Ouço o falsário silêncio.

Viajar, com deslocamento totalmente concreto ou abstrato.

Viajar é prazeroso.

Viver um copo de água maluca. Lento e louco, eu bebo água devagar, hoje.

Olhos entraram em chapado portal. Converso entre asneiras.

Somos linguagem. Asneiras são primas, provocar, desmontar os xaroços , tiram  onda com as convenções. Convencional, cadáver muito sério, não é uma boa sugestão.


Garrincha soltou passarinhos das gaiolas.

Garranchos atravessam belos recreios e, sua alegre feitura,  caleu


Você esqueceu o recheio mental na frase de um amigo.

Paçoca brinca com a patota. Matou dois policiais.